domingo, 17 de junho de 2018

Passa hoje um ano sobre o incêndio de Pedrógão Grande









Faz hoje um ano que aconteceu em Portugal aquilo que não podia acontecer: incêndios que não foram combatidos logo ao deflagrarem reduziram a cinzas aldeias, viaturas, pessoas e animais. O argumento das alterações climáticas não explica tudo o que se passou.


As temperaturas eram muito elevadas. A vegetação crescera desmesuradamente porque o Inverno e a Primavera tinham sido chuvosos. Os terrenos não tinham sido limpos de matos e outra vegetação. Proprietários aproveitavam os últimos dias antes da chegada do Verão para fazerem as tão tradicionais queimadas.


Tudo isso junto, mais o desordenamento do território português, a incúria de políticos e outros responsáveis foi explosivo. Foi mortífero. Para mais de seis dezenas de pessoas que estavam no local errado à hora errada e para as muitas centenas daqueles que perderam haveres e animais. Que perderam o que restava de uma identidade e de uma realidade desconhecida  para os portugueses e para os políticos portugueses das cidades do litoral, como tem mencionado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.


O dia 17 de Junho de 2017 não mais se podia repetir... mas repetiu-se: ainda mais violento e destruidor num dia de Outono mesclado de calor e poeira. Agora - diz-se - é que os dias 17 de Junho e 15 de Outubro de 2017 não podem mesmo repetir-se. Ainda é cedo para afirmar isso pois o Verão e os calores a sério ainda nem começaram, mas há sempre um culpado para acusar, chamado Alterações Climáticas!




sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

HÁ 12 ANOS NESTE MESMO DIA ENTRAVA NA AVENTURA DOS BLOGUES










Faz hoje 12 anos que, pela mão da psicóloga - e hoje minha Amiga - Teresa Paula Marques, entrei nos blogues.

O primeiro foi o Abralas, o qual, e infelizmente, já não está disponível. Depois, criei quase uma vintena deles, e hoje sento-me pouco - mas vou passar a sentar-me mais vezes - n' O Meu Sofá Amarelo.

Nos próximos dias, viagens pelos mundos dos meus blogues e a possibilidade de reactivar alguns deles, começando por este. Também oportunidade para destacar as Pessoas mais importantes que conheci graças aos blogues, sendo que algumas dessas Pessoas ainda hoje fazem parte do meu mundo e do meu dia-a-dia, se não nos blogues pelo menos no Facebook.

Até já!!!

domingo, 31 de dezembro de 2017

domingo, 24 de dezembro de 2017

CORRE, CORRE, QUE É NATAL!!!
















Corre corre que é Natal
o tempo está a esgotar
e há tanta coisa a comprar
um relógio de pulso
um biombo
talvez haja no Colombo
quiçá no Vasco da Gama
mas será que é por impulso
que levo aquele colar?
até já tenho um igual!
Que mania de comprar
e quase tudo para dar
assim manda o Natal:
computador, telemóvel
impressora, LCD,
mesmo que o dinheiro não dê,
há que comprar, é Natal,
e depois logo se vê...

Corre corre que é Natal
Bolo-rainha ou Bolo-rei
coscorão ou rabanada
já nem sequer sei
se os posso ir comprar
só me sobra nota de vinte
mas se sonhos não encontrar
não vou desesperar
vou à pastelaria seguinte...

Corre corre que é Natal
gasta tudo o que não tinhas
e quando chegar Janeiro
será que haverá dinheiro
para as coisas comezinhas?
não importa nada disso
já cá tenho o que preciso
gargantilhas de prata
fios de ovos cor de ouro
bordados a cinza lata
com sabor a tangerina
e mais um cinto de couro
ou será que é sintético
a dizer 'made in China'?

Corre corre que é Natal
anda tudo tão frenético
nesta quadra natalícia
a noite está a chegar
mas é preciso perícia
para a todos agradar,
corre corre que é Natal
e se nada se puder comprar,
se pouco houver para dar,
fique o espírito dos portugas:
ponha-se a lareira a crepitar
pois pelo menos deve sobrar
aquela coisa de lã
a que chamamos peúgas!


(jag)

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

REPUBLIQUE-SE A REPÚBLICA



Republique-se a República 
E ela que se identifique
Como de maioridade,
Republique-se a República 
Com decretos e diplomas 
Que não sejam sintomas 
De falta de liberdade
Republique-se a República
Através de manifestos
Mas que isso não implique 
Que passem por alambique
Tão enviesados textos.

Republique-se a República 
Com Eça mas sem Fradique
Para que isso a dignifique
E separe do joio o trigo
Sem fazer um jogo misto,
Republique-se a República 
E que isso não signifique 
Que na mesma tudo fique
Pois na verdade vos digo:
Que se lixe tudo isto!
A República que se republique!

Republique-se a República 
Pois passados mais de cem anos
De governos republicanos 
Mais parece um piquenique
De tachos e de biscates
Republique-se a República
E para que isto se aplique
Sem que ninguém replique
Haja alguém com tomates
Haja alguém que aqui rubrique,
Pois se esta República
Em pouca água ferve
Republique-se a República
Porque esta já não serve!

(jag)

domingo, 1 de outubro de 2017

ALENTEJO PODE SEGUIR EXEMPLO DE REFERENDO NA CATALUNHA...



O Alentejo pode aspirar também à independência, e a exemplo da Catalunha, promover um referendo. Para isso, o Alentejo poderá utilizar as muitas escolas que estão fechadas e ao abandono ou - no caso de não encontrarem as chaves das portas - sempre poderá colocar os locais de voto atrás de um chaparro... como não se sabe qual é a parte de trás dos ditos, a polícia  nunca chegará a descobrir...