sábado, 1 de julho de 2017

PORTUGAL, UM PAÍS NA MODA COM PASSERELLES DE BARRO

Portugal está na moda, como se diz por aí e como parece ser verdade. Nem os anos de humilhante crise aos olhos do exterior, prejudicaram Portugal. Pelo contrário: até parece que funcionou como uma curiosidade, até porque ao mesmo tempo, os portugueses (ou alguns portugueses) iam dando nas vistas. No topo desses portugueses vem Cristiano Ronaldo, claro!

Portugal é um país, ou tem um Povo, curioso. Tão depressa se está nos píncaros como se entra em depressão. Tão depressa se diz bem e se "constrói" como logo a seguir se diz mal e se "destrói". É mesmo assim, os portugueses são assim, não vale a pena inventar nem desejar que sejam de outra maneira. Hão-de passar gerações...

Mas - e a História tem sido fértil nessas coisas - quem está na moda, não pode descansar à sombra, neste caso do chaparro. Há que alimentar essa moda e não ficar dependente da designada sorte. E é essa "sorte" que parece ter metido férias, abandonando os portugueses à sua... sorte!

A tragédia recente dos incêndios não pode acontecer em Portugal. Dirão que nos países "civilizados" também acontecem tragédias. É certo que sim, basta ver o que uns dias antes tinha acontecido num prédio em Londres. Mas em Portugal não pode acontecer, ponto! Este é um país pequeno, não deve ser assim tão difícil de governar e de gerir...

E, ainda não refeitos da tragédia dos incêndios, surge a notícia do roubo (descarado) de armamento, o que interna mas mais ainda externamente deixa Portugal numa posição caricata! É a passerelle de barro a desfazer-se... vamos ver se os "artistas da retórica" ainda vão a tempo de moldar alguma coisa...

(jag)

Sem comentários: