segunda-feira, 13 de junho de 2011

U ÔTRU LÁDU DE FERNANDO PESSOA

Nem tudo o que Fernando Pessoa escreveu foi genialmente genial! Existe um outro lado de Fernando Pessoa mais banal, mais próximo de um versejador e mais longe do poeta e do profeta. Mas, sem dúvida, que Fernando Pessoa - hoje, que passam 123 anos sobre o seu nascimento - vale antes de mais pelo que consegue mexer com as pessoas de hoje, aquelas que se identificam com ele e que procuram os seus pensamentos e as suas ideias para orientarem a sua própria existência. Quem anda pelos blogues, sites e afins, e mesmo quem lê livros, prefácios, frequenta conferências, nota que há muitos que citam Fernando Pessoa porque a alma do poeta não tem morada certa e é intemporal! A seguir uma recolha ao acaso que fiz de escritos (alguns não chamarei poemas!) do português mais famoso do séc. XX.

Como inútil taça cheia / Que ninguém ergue da mesa / Transborda de dor alheia / Meu coração sem tristeza

Pálida sombra esvoaça / Como só fingindo ser / Por entre o vento que passa / E altas nuvens a correr

A criança que ri na rua / A música que vem ao acaso / A tela absurda, a estátua nua / A bondade que não tem prazo

Ameaçou chuva. E a negra / Nuvem passou sem mais... / Todo o meu ser se alegra / Em alegrias iguais

Como uma voz de fonte que cessasse / (E uns para os outros nossos vãos olhares / Se admiraram), p'ra além dos meus palmares / De sonho, a voz que do meu tédio nasce

As lentas nuvens fazem sono / O céu azul faz bom dormir / Bóio, num íntimo abandono / À tona de me não sentir

Meu ruído de alma cala / E aperto a mão no peito / Porque sob o efeito / Da arte que faz trejeito / O que é de Cristo fala

Brincava a criança / Com um carro de bois / Sentiu-se brincado / E disse, eu sou dois!

Vento que passas / Nos pinheirais / Quantas desgraças / Lembram teus ais

Talvez que seja a brisa / Que ronda o fim da estrada / Talvez seja o silêncio / Talvez não seja nada...

Amanhã, se estiver um dia igual / Mas se for outro, porque é amanhã / Terei outra verdade, universal / E será como esta

7 comentários:

Ana disse...

Quando tive de o estudar no secundário não gostei muito mas recentemente li algumas coisas, principalmente de Alvaro de Campos e parece que o meu gosto apurou:)
Beijinhos

Luís Coelho disse...

Não deixam de ser pensamentos muito bonitos e ricos de conteúdo.

"Talvez que seja a brisa / Que ronda o fim da estrada / Talvez seja o silêncio / Talvez não seja nada."

Joana disse...

Eu adoro o Fernando Pessoa, detesto é que se tenha de analisar os seus poemas ao pormenor, pois dessa forma para mim perdem a sua essência.

beijinhos

Marta disse...

Aprecio imenso a poesia de Fernando Pessoa....
Para os ler, reler e encontrar sempre qualquer coisa diferente....
Bom texto, Alex...
Beijos e abraços
Marta

argumentonio disse...

bem homenageado, o Poeta, com oportunas citações e um menos conhecido dos muitos lados em que se o Fernando António se transmutava !!!


;_)))

Filoxera disse...

Acho que nunca tinha lido estes...
Beijos.

CF disse...

Eu sou uma incontestável seguidora de FP...um dos meus livros de cabeceira é o do Desassossego...revejo-me na sua escrita e serena-me!
Quanto à sua genialidade...os génios tb precisam descansar de serem génios...lol
Abraço