terça-feira, 6 de abril de 2010

QUANDO A VERDADEIRA CRISE CHEGAR... PORTUGAL NÃO TERÁ A MESMA SORTE DA GRÉCIA!

Ilusões não haja de que quando Portugal cair, a Europa que nos abastece de BMWs, de Audi's, de Nokias, de Nike's, não estará lá para nos pôr a mão por baixo! Assobiarão para o lado, fingindo que não vêem! Quanto muito dirão: 'para essa causa já dei... nos idos de 90! Se geriram mal o que receberam problema vosso!'


A 'tranquilidade' que se vive em Portugal face ao avanço do desemprego, face ao sufoco que as pequenas e médias empresas vivem, e a falta de perspectivas, agora não só dos mais novos, mas também dos menos novos, lembra-me - embora não estivesse lá para ver, pois - a desfaçatez com que os romanos há umas centenas de anos lidaram com as invasões dos ditos bárbaros: o importante era comer, beber e desfrutar!


A Europa torceu o nariz ao facto de ter que ajudar a Grécia a contornar o défice das contas públicas de 113% do PIB grego (em Portugal é de 78%), talvez em virtude da ostentação de um nível de vida que os gregos exibem. Afinal, todo o crescimento económico, social e salarial da Grécia nos últimos 20 anos foi baseado em virtualidades! E, pelo que já vimos, lá como cá: Portugal trespassou-se de auto-estradas, de Centros Comerciais cada um maior que outro, de automóveis topos de gama, de mais telemóveis que habitantes... quando não tinha (e não tem) bases económicas, sociais ou financeiras para o fazer!


Mas, no tête-a-tête entre Portugal e Grécia, os gregos levam vantagem. E isto apesar de também pertencerem ao clube dos PIGS (Portugal, Ireland, Greece, Spain) para quem a Europa olha com desdém, talvez só com uma ponta de inveja do Sol que abençoa três daqueles quatro países. É que jamais os ricos da Europa deixarão de ir em socorro de um país que foi o berço civilizacional da própria Europa, das cidades onde os filósofos se passeavam inventando os princípios da Democracia que a Europa (parece que) tanto preza. O país dos deuses e da maratona não será abandonado pela Europa, até porque os europeus do centro e do norte precisam de enviar os cidadãos de férias para os Partenon's e as Acrópole's desta civilização.


Já o mesmo não se passa com Portugal: por aqui ninguém inventou a Democracia, os deuses não se demoram muito por estas paragens, de filosofia só a barata e embora também tenhamos um Sócrates (ainda por cima vivinho da silva), são cada vez menos os que embarcam em engenhosas filosofias, ao contrário do que acontecia com o grande mestre grego. E já nem maratonistas temos: os portugueses agora gostam mais de correr para as filas dos hipermercados, para os algarves e para os voos para o estrangeiro. E nem São Cristiano Ronaldo ou o Santo Mourinho nos poderão salvar quando chegar a hora e este submarino à beira mar equilibrado for ao fundo de vez!  

7 comentários:

Maria, Simplesmente disse...

Eu nem te quero ler!!!!!!!!!
Eu é que me vejo "grega...".
A culpa parece-me que deve ser tua.
Só falas... só falas... e mandas boucas!!!!!!!!!!!
Foi das amêndoas?
Maria

Fernando Vasconcelos disse...

Como estava a comentar com uns amigos a crise é uma questão também de perspectiva. A economia também somos nós que a fazemos, aliás somos essencialmente nós que a fazemos. Para além disso mesmo com todas as nossas batotas não estamos nem sequer a um décimo do problema grego que aliás revela da batota mesmo ... Não são casos comparáveis e não me parece que a situação em Portugal vá ficar pior. Nós vamos conseguir dar a volta, com toda a certeza.

argumentonio disse...

sem dúvida muitas razões amarelecem o Sofá mas Portugal tem os seus méritos e um presidentezinho da Comissão Europeia, por mais uns anos

entretanto, o tipo de economia de Portugal ressente-se muito com as crises alheias mas também beneficiará quando os nossos parceiros estiverem melhorzinhos de finanças, para cá virem deixar uns euros em merecidas e prazenteiras férias, de sol e praia mas também de bela hospitalidade, paisagem, história, cultura e património, gastronomia, actividades e entretenimento para dar e vender

e nisto das ajudas - sem dúvida superlativas e malzinho empregues nos idos de 80 com autoestradas feitas a martelo para as maiorias absolutas cavacais em obras que tiveram de ser repetidas, refeitas, alargadas e realargadas para se gastar a massa em betão e em incompetência - há que atentar nas duas faces da medalha: os países do centro da Europa, as grandes economias, beneficiam mais do Mercado Único Europeu que os países do sul, para onde escoam a sua portentosa produção

e depois, Portugal já está a ajudar a Grécia, como se poderá constatar em http://www.upto35.com/, pois dois jovens arquitectos portugueses venceram recentemente um prémio de arquitectura urbana com um projecto inovador e económicozinho para um protótipo capaz de albergar 18 ou mais estudantes, no âmbito de um programa para dinamizar zonas estudantis de Atenas

respigo a notícia - OLIAROS and the Jury Committee would like to announce that the winner of the
"upto35 Student Housing Competition" is «18 Steps» by Joao Prates Ruivo and Raquel Maria Oliveira

o projecto esteve em exposição no Museu Benaki, Pireu, Atenas e o prémio foi entregue pela Ministra da Educação, Anna Diamantopoulou

enfim, é uma ajudazinha mas convém lembrar que também Timor Leste auxiliou a Madeira após as chuvas diluvianas, sem rancor ao estafermo do Alberto João que em tempos clamava "nem mais um tostão para Timor" - a luva branca ditou a sua lei contra a hipocrisia de Jardim

e como diz acima um comentador, a recuperação depende também de nós

por isso, mãos à obra!

;_)))

Jorge disse...

Temos todos mas é que deixar o sofá e... pôr mãos á obra.

Maria Valadas disse...

Sentei-me confortavelmente no sofá, e li um belo texto/ critica à crise que assola o nosso país e o resto do mundo.
E se os portuguesinhos/as, deixassem os divertimentos e procurassem dar mais rentabilidade ao país?
Está certo que o nosso Governo tem falhas... mas a recuperação depende
de todos nós.

Parabéns pelo texto... um alerta para quem anda de olhos semicerrados.

Beijo.

Maria,

lino disse...

Isso só depende de nós e de termos os olhos abertos e os ditos no sítio na hora de votar.
Abraço

Ana disse...

Olá!
Grande texto, fartei-me de rir, apesar de ser um assunto muito sério, a pouca sorte aqui para estes lados (interior) é que já toda a gente ligada ao poder se esqueceu de nós há muito tempo!!
Beijinhos e, se isto der para o torto, és muito bem vindo aqui ao fim do mundo;), sempre dá para a agricultura de subsistência;)