terça-feira, 16 de junho de 2009

BALANÇO DO ANO LECTIVO: A VIDA DOS PROFESSORES JÁ NÃO É O QUE ERA!!!

Agora que começou a semana de exames nacionais - no país com mais exames na Europa... e pior aproveitamento escolar... - recordo uma ida minha há poucas semanas a uma escola dos arredores de Lisboa para fotografar a escritora de livros infantis e juvenis, Ana Saldanha (nas imagens). O evento correu bem, alguns alunos foram participativos, a Ana Saldanha tem uma presença e uma oralidade fantástica, tudo bem... houve, no entanto, algo que me chocou (e isto apesar de a maioria dos meus amigos e amigas serem professores e professoras): foi o stress em que vi muitos professores que pretendiam assistir ao evento (mesmo com parte dos seus alunos lá) mas não o puderam fazer pois não tinham hipótese de trocar um pedacinho de uma aula por uns minutos na biblioteca!!! Em causa estavam não as faltas mas o programa apertadíssimo que tinham - têm - que cumprir senão são penalizados na avaliação. Nem ao almoço com a convidada puderam comparecer e os que conseguiram ir passaram o tempo a olhar para o relógio!

É certo que todos admitiram hoje que os conflitos na Educação não afectaram os exames nacionais, mas para onde caminha esta escola onde os alunos têm um horário tão sobrecarregado como um trabalhador da indústria? E onde os professores ficam em pânico se se afastam um milímetro da matéria estipulada? Que saudades do tempo - o meu! - em que alguns professores conseguiam falar de outros assuntos que não as matérias: eram as melhores aulas quando se falava de actualidade, de televisão, de política... e, pelos vistos, não éramos piores alunos...

7 comentários:

Ana Serrano disse...

Olá!
Concordo plenamente contigo, não saí da escola há muito tempo e é incrivel o modo como as coisas mudaram, e para pior... Sempre que encontro antigos professores queixam-se muito das sucessivas reformas que se vão fazendo e da pressão que correm.
Só para teres ideia o meu ano de curso foi o último de História, variante de Arqueologia.No ano seguinte, os alunos que entraram já eram do curso de Arqueologia e história(!); conclusão, nós fartámos-nos de sofrer confusões, por exemplo quando deixávamos uma cadeira por fazer, porque ninguém nos conseguia dar respostas em relação a cadeiras que deixaram de existir, etc, etc... E o pior é que passados cinco anos (ou menos, já não me recordo), tudo voltou a mudar com a introdução do regime de Bolonha. Ou seja, essas pessoas que tiraram Arqueologia e História, tiveram um curso único porque voltou a mudar tudo novamente, com o encurtamento dos cursos para 3 anos!
E, no caso da minha licenciatura/variante, houve casos medonhos, como um colega meu que entrou antes de mim,apanhou esse novo regime, e quando tinha 3 ou 4 cadeiras em falta para fazer o curso, viu-se de repente com umas dez cadeiras em falta! E isto no ensino superior!
Quanto aos professores do liceu/secundário, já sofreram tantas reformas em poucos anos, que muitos mais antigos preferem a reforma antecipada, e são professores que adoram a sua profissão.
O que me indigna mais é não ouvirem nada do que esses professores têm para dizer. É incrivel, como, por exemplo escolas como a Infanta D.Maria em Coimbra, onde estudei, seja uma das melhores escolas dos país e tenha ficado sem a maioria dos professores(os mais antigos foram todos para a reforma antecipada)em protesto pelo regime de avaliação, e a ministra não ligou nenhuma! Não me parece que a sua intenção seja a melhoria do sistema de educação!
E quanto à escritora hás-de mencionar-me obras dela pois nunca tinha ouvido falar!
Beijo e obrigado por tocares em assuntos tão pertinentes e que incidem tanto sobre o futuro do nosso país!

Filoxera disse...

É, acho que as mudanças têm vindo a piorar a vida dos professores. E talvez dos alunos, embora eu não esteja bem por dentro da matéria (agora é que é caso para dizer!).
Beijos.

Ezul disse...

Eu sei bem o que é olhar para o relógio e contar o tempo ao minuto, para que não se desperdice qualquer pedacinho de tempo tão necessário ao cumprimento das tarefas que crescem, crescem, incessantemente. Agora, tenho uns escassos minutos para respirar (Uau, hoje consegui almoçar!)e vou retomar a classificação de trabalhos e trabalhos... Sim, porque depois das últimas madrugadas, faço agora uma pausa nos benditos relatórios da famigerada avaliação. Ah! Sabe-se lá se isto é verdade! Nós até nem picamos o ponto! Nem à hora das aulas, nem à noite, nem aos sábados, quando frequentamos as acções de formação (obrigatórias!) Pronto! Terminei esta pequena parcela de liberdade e vou lançar-me aos papéis. Talvez consiga retomar os meus voos, lá para o final da noite.
:)
Ah! Os miúdos estão eufóricos com o final do ano lectivo. É que também eles estão visivelmente cansados!Bem, haverá quem diga que a culpa é nossa!É sempre, não é?

elvira carvalho disse...

Absolutamente de acordo. Tanta mudança, e a qualidade de ensino dó tem piorado.
Um abraço

mulher disse...

Olá
Bom dia.Concordo, que tem de haver mudanças, tb me parece a mim que estudei há muito e segui mais tarde os meus filhos,que em pouco tempo tudo mudou bastante para pior para alunos e professores.Tenhamos esperança, que volte a ser melhor para bem de ambos.

Violeta disse...

Eu só sei que esta será uma factura a pagar mais tarde mas com um valor muito elevado.
Embora o assunto seja demasido caro para cada um em particular, no geral será a sociedade num todo quem mais vai sofrer.

Thunder disse...

Pois, e depois há quem diga que os professores não ensinam nada, não explicam...! Claro, com um programa tão longo para cumprir, há coisas que têm de ser mesmo só abordadas superficialmente! O que vale é que os exames são fáceis (para tornar as nossas estatísticas mais "belas")!

Bjs e desculpa a ausência, mas sou professora! Acho que fica subentendido o motivo de tal ausência ;)