terça-feira, 14 de setembro de 2010

O MEU SOFÁ AMARELO VAI (OBRIGATORIAMENTE) REGRESSAR ÀS AULAS...


... Num país onde a Constituição diz que a Educação será tendencialmente gratuita... pelos vistos este tendencialmente demora tempo e ainda por cima é especialista em recuar...

6 comentários:

Diário de um Anjo disse...

aguardemos...

Graça disse...

Um beijo, Alexandre, no regresso às aulas :).

argumentonio disse...

pois, um Sofá faz muita falta em qualquer escola!

e parece que o subsídio aumentou uns generosos 50 cêntimos!!

mãos largas, estes subsidiadores!!!

;_)))

ps - para que conste: nunca Portugal teve tantos alunos, tanta proporção de população com o ensino superior completo nem tanto mestrado e doutoramento - há muito a melhorar, certamente, é arregaçar as mangas, mas convém lembrar que o ponto de partida no advento da democracia era um País com taxas elevadíssimas de analfabetismo e iliteracia; que longe estamos, felizmente, desse obscuro tempo...

Joana disse...

Infelizmente neste país, mais do que a qualidade do ensino contam os números e por este caminho, independentemente daquilo que os números dizem caminhamos para um país de analfabetos. :S

Beijinhos

Maria João disse...

Algumas coisas eu não entendo. E tenho sempre a mesma dificuldade todos os anos, a do entendimento da coisa, bem se vê...

Antigamente...

O país era poupadinho, vivia com dificuldades e, por isso, os livros escolares mantinham-se os mesmos durante muito tempo, não obrigando os pais a gastarem tanto dinheiro, todos os anos, para ter toda a prole a estudar.
Hoje em dia ( e já andamos a falar nisto há pelo menos uma década), é urgente voltar a esse hábito de antigamente, porque o país não anda poupadinho e, para agravar mais a situação, anda cada vez mais pobrezinho. Não só a educação dos mais pequenos, não ganha nada com o negócio.. sim, porque é de negócio que se trata.. , como também o desperdício é cada vez maior.
Já é tempo de haver coerência entre os ditos “Temos de poupar!”, e os actos …

Um beijinho

Ana disse...

Olá!
E como recuamos...
Beijinhos