quarta-feira, 29 de setembro de 2010

IMAGENS DO PORTUGAL DO FUTURO... AQUI E AGORA!

A cidade grande ao fundo serve apenas de cenário para aqueles que já precisam de mergulhar - seja nos caixotes do lixo, seja na maré - para procurarem aquilo que escasseia... algo para comer: Portugal do futuro com imagens do aqui e agora (fotos d' O Meu Sofá Amarelo)!

O JN fez a reportagem pelas ruas de Coimbra. Mas podiam ser imagens de Porto ou Lisboa...


6 comentários:

Luís Coelho disse...

Imagens que revoltam pelo desgosto de mais nada poder fazer e ainda porque a nossa classe politica continua insensível à fome que grassa neste país.

lino disse...

Lamentavelmente haverá cada vez mais a revolver o lixo deixado por cada vez menos.
abraço

Maria João disse...

Poderia dizer-te que, infelizmente, este é só o começo. Poderia dizer-te que em qualquer parte do mundo, na terra ou no mar, me deprime ver alguém que passa fome....
Mas sabes, não digo (dizendo) , é que já não é hora de lamentos. Agora, é tempo de arregaçar as mangas e dividir a metade do nosso pão com quem está ao nosso lado, faminto, antes que estes desesperados actos se multipliquem.
Que utilidade temos, se apenas nos escandalizarmo-nos com a miséria à nossa porta, e sairmos pela janela para nínguem ver que temos o bastante que nos sacie, enquanto procuramos os culpados?

Tudo isto, tem de nos fazer pensar e agir. Falar só não basta!

Um beijinho muito grande e obrigada!!

hiltom disse...

Muito oportunas estas fotos.
E se na 1ª ainda podemos pensar que algumas pessoas andam ali para entreter o tempo (eu gosto imenso de me entreter a apanhar conquilha e nem é pelo que apanho ou porque precise para comer, mas sim porque não sou capaz de estar deitada a esturricar ao sol e à beira mar o tempo parece que passa mais depressa)
ou arranjarem mantimentos para um petisco, (ou, e o mais certo é mesmo ser para venderem a ganharem algum dinheiro, pela grande quantidade de pessoas em tão curto espaço de água),
mas a 2ª foto é cada vez mais vulgar aos nossos olhos.
A pobreza cresce a olhos vistos neste país e as pessoas, sem emprego, não podem ter dinheiro para comprarem bens de primeira necessidade. Então...andam à procura de alimentos nos caixotes.
Mas.... sair da crise não passa apenas por congelar salários e subir impostos.
O défice baixava um pouquinho mais se em vez de 16 motoristas ficassem só 3. Se os restantes voltassem á GNR ou PSP, se os deputados com casa em Lisboa não recebessem subsídios de alojamentos porque, por interesses têm moradas noutras zonas do país. Se os carros ao serviço do Estado não fossem topo de gama e se o seu tempo de uso fosse superior.Se a reforma dos deputados e eurodeputados não fosse tão cedo e tão exorbitante. Se não permitissem que a cada 5 anos as firmas mudassem de nome e assim estivessem isentas outros 5 anos de impostos.
Se os bancos, seguros e cadeias de supermercados pagassem impostos como pagamos nós, os trabalhadores por conta de outrém que descontamos logo na fonte.
Isto é a gota de água no fundo do oceano.Mas sempre reduzia as despesas.

Joana disse...

Imagens que tendo em conta o estado em que o País está a ficar se vão acentuar. Infelizmente.

Beijinhos

Ana disse...

Imagens que, infelizmente, fazem parte do quotidiano e irão ser cada vez mais...
Beijinhos