terça-feira, 13 de outubro de 2009

VAMOS AO CIRCO... SEM ANIMAIS!

Saiu hoje legislação que proíbe a aquisição de animais selvagens por parte dos circos e a reprodução dos mesmos entre os animais que já existam naqueles locais de espectáculo. Na verdade, nunca achei piada à utilização de animais selvagens nos circos, como não acho piada a tudo o que seja aproveitamento de animais para gáudio dos humanos. Por isso - e embora com pena da 'tradição' - acho bem que os circos se vão adaptando às novas exigências da sociedade humana e do respeito pelos animais. A implementação desta medida não será fácil, haverão com certeza muitos elefantes de olhar triste nos circos durante muitos anos, mas o verdadeiro ponto de interesse nos circos do futuro deverão ser os humanos e não os animais ... muito menos os animais ditos selvagens e em vias de extinção.

11 comentários:

Paula Raposo disse...

Acho muito bem e aplaudo de pé! Os animais são para estarem no seu habitat.
Nunca gostei de circo, nem de outors circos...beijos.

Ana Sofia Serrano disse...

Olá!
Tudo bem? E esse fim-de-semana?
Estou completamente de acordo contigo!, é muito mau o que fazem co os animais! É pena é este Ministro da Agricultura ser tão incompetente e já estão a surgir dúvidas quanto à interpretação do diplomada, nomeadamente as touradas!
Mas acho muito bem, tenho tanta pena daqueles animais enjaulados, e quando os abandonam, como aconteceu há pouco tempo com um leão?
Beijos

continuando assim... disse...

apoio incondicionalmente !!

gimbras.nofuturo.com disse...

O tempo da escravatura já acabou há muito tempo (pelo menos, em teoria)! É mais que hora de deixar os animais em paz!

Basta usar a imaginação para continuar com o espectáculo do Circo sem animais!

Je Vois la Vie en Vert disse...

Esta é uma boa ideia !

Beijinhos

Verdinha

Carlos Albuquerque disse...

Aplaudo de pé!
Vi uma vez elefantes de olhar triste nas traseiras dum circo. E um par de tigres com ar de quem pedia ajuda! Se eles falassem, o que me teriam dito!?...
Não entrei, e não entro!
Diz a Ana Sofia Serrano (desculpe, Sofá, estar a referir-me a uma sua visitante)que começam a surgir dúvidas quanto à interpretação do diploma. Não me surpreende e penso mesmo que surgirão pressões para que permaneça numa gaveta, com este incapaz ministro da Agricultura, ou com o que vier a seguir.
Refere as touradas. Se ela quiser pode ir ver o que penso, aqui:
http://conversasdaquiedali.blogspot.com/search/label/Tortura
Um forte abraço!!!

abigale disse...

até que enfim. é um pequeno grande passo. AMANHA manif. vejam a página da ANIMAL. a luta continua

Graça disse...

Muito bem, até porque também não gosto de circo.

Um beijo.

Menina do Rio disse...

Já era sem tempo! Não vejo graça em expor os animais da forma como sempre fizeram. A graça do circo tem que ser o palhaço e não animais.

beijo pra ti

Sight Xperience disse...

Olá...
Parece que o Parlamento vai deixar ao critério dos Países membros...a decisão sobre esta matéria.

Pessoalmente detesto a utilização do animal para "divertimento", como é o caso dos circos, rodeos e touradas...e já agora porque não o "Dressage" a cavalo das provas Olímpicas... e os shows com golfinhos e focas?...

Mas o facto de detestar, não me pode impedir de racionalmente, perceber que existem circos e circos...touradas e touradas.

O que é preciso é controlar de forma apertada e eficaz o tratamento e a utilização animal, em qualquer circunstancia!

Temos que pensar...nada de fundamentalismos!

Ezul disse...

Lembrei-me, a este propósito, do “velho” Jack London da minha adolescência. Jack afirmava que, quando ia ao circo, se recuava a assistir ao triste espectáculo dos números com animais. Ele, que era um fervoroso amante dos espaços selvagens e da liberdade, apercebia-se da crueldade que é prender os animais e forçá-los a actos tão contrários à sua natureza. É certo que, naqueles tempos, também se caçavam as focas e as baleias…
Das poucas vezes que fui ao circo, lembrei-me sempre daquelas palavras e nunca aplaudi tais números.
Sempre fui pelos animais e nem sequer gosto de Jardins Zoológicos. Os espaços reduzidos deprimem-me, as jaulas, a ausência dos habitats naturais… Ver uma vez, em Lisboa, inúmeros gatos que arranhavam um chão de cimento; observar, algures na Tunísia, a tristeza parada que enchia o olhar dos chacais; não poder corresponder a todos os animais que permanecem no canil… O que me contaram, há poucos dias, acerca dos touros que não queriam entrar na arena...
É tão tardia, esta lei. E é ainda tão pouco!
:(