sábado, 6 de fevereiro de 2010

GOVERNO PS de JOSÉ SÓCRATES PODE CAIR NOS PRÓXIMOS DIAS

Nota de abertura: o interesse e a importância deste post está especialmente nos comentários. Sugiro, por isso, que a visita a este post seja complementada indispensavelmente com os comentários

Dois aspectos da manifestação dos enfermeiros em Lisboa 
no passado dia 29 de Janeiro. Fotos de O Meu Sofá Amarelo

O Meu Sofá Amarelo soube de fonte segura que o Governo minoritário do PS vai com certeza cair nos próximos dias mercê da contestação da op
osição e de muitas classes profissionais.
E o que mais preocupa nisto tudo é a falta de unidade dos Partidos e dos políticos numa altura em que não há lugar para jogos nem lutazinhas pelo Poder: a situação económica de Portugal 'obriga' a que se escolham os melhores para governar aquilo que outros desgovernaram - e continuam a desgovernar - durante décadas! Já não é só o Portugal interno que está em causa, o problema é mesmo o atestado de incompetência que a Europa e o mundo estão a passar a Portugal. Nem ser campeão do mundo em futebol vai chegar para alterar isto: de uma vez por todas dava jeito, por assim dizer, que a competência e a decência chegassem ao Poder.
Partidos e ideologias à parte - porque prefiro avaliar pessoas e não Partidos - estou a apreciar a lucidez e a moderação de Pedro Passos Coelho, talvez o futuro Presidente do PSD (se não for trucidado de novo pelos barões do Partido) e, consequentemente, candidato a 1.º Ministro quando (e se) o Presidente da República convocar eleições antecipadas. Mas, para dizer a verdade, nem sei se mesmo Passos Coelho quererá pegar num Governo nestas circunstâncias e neste estado de coisas...

11 comentários:

Violeta disse...

A oposição quer é fazer ondas. Tão irresponsável é o governo como a oposição.

Maria, Simplesmente disse...

É só encargos para o País... não é?
Realmente a situação deste País está cada vez pior, em todos os aspectos.
Só gostava de saber como vai ser o futuro, que vejo muito turvo, devido à falta de estabilidade em que vivemos.
Não haverá quem deite a mão a isto...?
Boa continuação do fim de semana.

Maria João disse...

Concordo em absoluto contigo! Sobre a manifestação dos enfermeiros na qual eu também participei, sentindo imenso orgulho por fazer parte de uma classe profissional que se uniu de uma forma tão significativa, recusando ser discriminada.
E.. sobre Pedro Passos Coelho, o único político credível em quem, neste momento reservo a esperança.

Um beijinho

Filoxera disse...

Sai mas é do sofá e aproveita a Natureza, como tanto aprecias.
Política? Que espere...
Beijos.

Sonia Schmorantz disse...

"É a possibilidade que me faz continuar e não a certeza. Uma espécie de aposta da minha parte. E embora me possam chamar sonhador, louco ou qualquer outra coisa, acredito que com Deus tudo é possível..."
Um lindo domingo e ótima semana!
abraços

Carlos Albuquerque disse...

Tenho opções ideológicas, partidárias não! Dizem os politólogos que isto é uma opção política. Pois que o seja! Prefiro afirmar que é uma escolha de cidadania. Desde Abril que voto (antes nunca o fiz), mas o meu voto nunca esteve refém de qualquer partido. Assim continuará. Posto isto, e desculpa o abuso de falar de mim,vamos ao teu interessante post.
Penso, desde as últimas eleições, que Sócrates anda mortinho porque o derrubem. Outra consulta eleitoral, pensa ele e gente que lhe é próxima, poderia dar-lhe nova maioria absoluta. Daí a contundência com que se vitimiza. Ele conhece a tendência dos portugueses para se porem ao lado dos coitadinhos. Por isso penso que posições de alguns artífices da morbidez, como as ultimamente assumidas por Mário Crespo, lhe dão jeito!
A reflexão deixada no post é certeira, só que eu acho estarem os partidos, e os seus centros de decisão, ocupados por gente que tem por hábito a descrença em tudo, num posicionamento político visando, em particular, a defesa de interesses pessoais. O País parece ser coisa que os não preocupa.
Mas o problema não é só nosso. Infelizmente, de há muito para cá, o mundo da política, à escala internacional, tem sido muito mal frequentado. Não são os aptos que o comandam. Vá-se lá perceber isto, se, afinal, são os povos que os elegem! Espanha, França, Grécia, Itália, para não ir mais longe, (governos de esquerda e de direita)e aí estão as manifestações nas ruas, algumas com violência que nos custa a imaginar e admitir em países europeus, ditos civilizados!
Como em quase todos os países do mundo, a situação do nosso é grave. Espero bem que o barco se não afunde. Precisamos de nos munir de coletes salva-vidas.
Não sou sebastianista, não me ponho, por isso, à espera que surja o rei montado a cavalo, de espada na mão. Nem o desejo...
Passos Coelho. Já o vi tão ziguezaguiante, que não acredito que dali venha qualquer coisa. O que não quer dizer que não venha a ser presidente do PSD e, por força disso, candidato a Primeiro-Ministro.
Um abraço!!!

argumentonio disse...

a multiplicidade de temas aconselha algum método, por isso vamos por partes:

1 - as novas contestações - muitas corporações e interesses tenderão a prosseguir atitudes egoístas e radicais, como a desumana greve dos enfermeiros que mancha seriamente esses profissionais a reboque dos mesmos objectivos partidários que antes demonstraram ter colonizado o sindicato dos professores; é o resultado da cedência (embora em boa parte apenas aparente) às reivindicações do cantiflas candidato a líder da Intersindical ou do comité central - muitos outros grupos serão levados a pensar que o radicalismo afinal vai ser compensado com algumas benesses ou pelo menos evitará os sacrifícios a que os demais trabalhadores estão sujeitos!

argumentonio disse...

2 - as diatribes sindicais, as coligações negativas da oposição, as patetices do Cavaco ou as manobras de rabo de fora de diversa gataria da comunicação social poderão de facto fazer perigar a continuidade deste Governo mas o resultado de novas eleições poderá não ser mais conclusivo que o figurino actual e, sobretudo, terá implicações paralisantes de decisões necessárias de política social, económica e de organização administrativa de que o País precisa para não se afundar numa crise que na sua origem é essencialmente externa mas que tem óbvias consequências internas, afectando a qualidade de vida dos portugueses em geral e dos trabalhadores em especial; sendo certo que já aborrece tantos sabedores a proclamarem que Sócrates deve ser afastado de imediato quando, por enquanto, Portugal é um Estado de direito, republicano e democrático, sendo os titulares dos órgãos de soberania,, à excepção dos juízes, escolhidos por via eleitoral - ou seja, quer queiram quer não, Sócrates ganhou as eleições, e por muito que saibam mais que o povo, têm que aceitar o que o povo decidiu - eis a democracia!!

argumentonio disse...

3 - o PSD ainda embarca em manobras irreflectidas e pontuais como o episódio histriónico do Mário Crespo ou a repetição estafada e a conta gotas das escutas a Sócrates (repare-se, tudo casos de bufaria, como os que em tempos antigos os portugueses tiveram que se sujeitar como modus vivendi, sob a honrosa resistência de muitos, felizmente) mais o manobrismo de Alberto João Jardim, que consegue unir todos os partidos contra o Governo para sacar mais uns milhões de euros para a Madeira à custa do suor de portugueses de regiões menos favorecidas, o que é impressionante; igualmente impressionante é que não se ouve uma voz de esperança naquele PSD para uma visão de Estado, alguém que diga basta! e que rejeite manobrismos interesseiros, que apresente propostas de solução mais vantajosas para todos em vez de dizer uma coisa quando está no Governo e o contrário quando está na oposição ou quando conjunturalmente lhe dá jeito; Pedro Passos Coelho poderá ser um líder no futuro mas por agora tem muita dificuldade em afirmar-se, parece faltar-lhe maturidade e alguma capacidade de ruptura, de ideias próprias afirmativas e construtivas, que inspirem confiança, não apenas aos do PSD mas aos portugueses, pois se o PSD perceber que um candiato é aceite pela opinião pública decerto se unirão para o fazer eleger; até lá, todos arriscamos continuar a assistir a joguinhos interesseiros de um filme que já enjoa, a menos que de uma vez por todas se entenda que quem foi eleito é que deve governar - até para o poder responsabilizar!!!

chapeu de sol amarelo disse...

ainda não caiu? nem devia era ter começado! para fazer o que andam a fazer, estavam bem eram quietinhos em casa!

Ana disse...

Olá!
Isto está num estado lastimável, o país neste momento precisa de união, era preciso esquecer as cores partidárias pelo bem da nação, mas parece que os nossos políticos não estão muito virados para aí!
estão mais interessados nas querelas partidárias!!
O PSD também precisa de mais estabilidade, vamos ver se é desta que o partido alcança a paz que precisa!
Beijinhos