quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Dos sismos aos tremores de terra... passando pelos abalos das emoções!

Um sismo de 6.1 na escala de Richter que não provocou danos pessoais nem materiais, seguido de dezenas de réplicas imperceptíveis é uma óptima notícia para todos aqueles que têm receio de tremores-de-terra... que bem entendido somos todos nós, pois! E é uma boa notícia porque os sismos mais pequenos libertam energia acumulada no interior da Terra e evitam os sismos maiores. Não é politicamente correcto dizê-lo mas o tsunami de há 5 anos no sudeste asiático foi uma bênção para os europeus e afins.
Ainda há cerca de um mês alguém meu amigo teve uma percepção de que ocorreria um sismo nas 48 horas seguintes. Meio a brincar meio a sério até 'preveni' algumas pessoas... esse sismo não se registou ou se calhar era este que aconteceu a noite passada... só que com um desfasamento no tempo!
Pois, mas a sério pelo que se sabe não se pode prever um sismo, podemos no entanto estar atentos à reacção dos animais, esses sim uns verdadeiros profetas. Mas, o melhor e o mais seguro é mesmo vivermos a Vida o melhor possível e procurar que os abalos sejam só... os de emoções boas!

Historinha do dia
Ele arranjou nova paixão. Acontece e essas coisas aparecem quando menos se espera! Quem não gostou muito disso foi a sua (dele) mulher. Ninguém gosta de ser trocado, claro!
E o que é verdade é que a vida dele a partir desse dia alterou-se de sobremaneira: a nova paixão exigia-lhe muita disponibilidade de tempo. Muitas vezes vestia-se a preceito, escapulia e só voltava mais tarde... depois de ter dado uma volta na companhia do seu novo amor! Outras vezes entusiasmava-se e voltava para casa fora de horas.
E dessas vezes ele tinha dificuldade em justificar-se... no fundo ela sabia o que ele andava a fazer mas lá ia tolerando a situação!
Um dia ele arranjou coragem e propôs à mulher uma volta a três. A mulher achou despropositado, já tinha dito anteriormente que não, e reafirmou que não tinha nenhum interesse em alinhar nisso. Ele ficou um bocado triste, mas não foi por isso que não deixou de ir - como sempre fazia - à garagem, pôr o capacete na cabeça e sair de mota por aí! Outros homens gostam de ficar no café a jogar às cartas mas para ele a nova mota era a 2.ª paixão da sua vida!

11 comentários:

argumentonio disse...

ao verdadeiro motard resta o exercício da solidão!

ou então, comprar outra mota para a companheira!!

;_)))

Paula Raposo disse...

As motas são uma verdadeira paixão.
Beijos.

Carla disse...

felizmente por aqui não se sentiu o sismo
a paixão pelas motas agrava~se a partir de certas idades ;)
beijo

Ana disse...

Olá!
Eu senti uma das réplicas e apanhei um grande susto!
Beijinhos

Sonia Schmorantz disse...

Natal...
É o mês de confraternização Agradecimento pela vida
Bênçãos ao filho de DEUS
União, amor, reflexão!

Que o bom velhinho traga um saco cheinho de paz,
harmonia, fraternidade
Que o gesto de ternura se estenda de várias mãos
Que ao som dos sinos
O amor exploda em toda direção!

FELIZ NATAL!
UM ANO NOVO DE FÉ E SUCESSO!

Entre "linhas" disse...

"A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio
de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida"

*Laur@´s Poesias

Vera disse...

Quanto ao sismo... não dei por nada. E o absurdo maior é que estava acordada...
De resto... Venha o livro!

Beijo grande

Ezul disse...

E não é que os gatos me acordaram diversas vezes? Mas o que eles queriam era comer! Quanto ao sismo, não dei por nada.
Onde é que se arranjam gatos à prova de sismo?
:)

Maria João disse...

Que importantes são as paixões na nossa vida. Várias, porque somos seres de emoções fortes como sismos da alma. Muitas vezes, em função das circunstâncias e do prazer que elas nos proporcionam, alteramos-lhes as prioridades, ou alimentamos umas enquanto fazemos o lto de outras. O importante é mesmo viver assim, dessa forma, apaixonados seja por aquilo que for, porque sem paixão nunca a entrega é completa.

Beijocas

Bichodeconta disse...

Façamos então de cada dia um dia de Natal e lembremos diáriamente aqueles que sem pão nem casa vivem ao relento! E são tantos.Dói por cada um e por todos, e digo isto numa convicção de quem já teve Natais com muito e pouco na mesa, mas o que sinto falta não tem a ver com comida.Ninguém pode ser feliz quando lá fora alguém se comtorce de fome e frio, e de solidão.Um abraço, Ell

Lia disse...

Olá Sofá,

em relação ao tremer de terra ,ou aos abalos da alma salpicados pelas "emoções" posso dizer que senti e não foi pouco(eram precisamente 1h e 37 minutos da manhã)e confesso que já não consegui serenar!

Quanto à história...somos três cá em casa:eu,ele e a moto:0)(podia ser a minha história)hehehe,gostei muito e fizeste-me sorrir!;0)
Ah,fazemos muitas vezes uma volta a três!:0))

Beijinhos (apesar do frio)com muitos raios de Sol*