terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Tudo, mas mesmo tudo, na Vida é relativo!

Era um dia importantíssimo para ele. Receber um prémio literário das mãos do ministro da Cultura e ser condecorado pelo Presidente da República no mesmo dia não eram coisas ao alcance de qualquer um. Mas havia mais: foi um dia de encontros com velhos amigos, alguns dos quais ele não via há muitos anos. Nas andanças desse dia dia ainda se cruzou com uma antiga namorada e o seu coração bateu mais rápido como nos velhos tempos. Para colorir ainda mais o dia, a mulher ligou-lhe a dizer que o nascimento do seu primeiro filho estava marcado para o dia seguinte (agora é assim, é quase como tirar uma senha numa repartição e dar à luz um bébé com hora marcada!).
Finalmente, ao fim do dia apanhou boleia de um amigo. O trânsito era mais que muito mas o amigo sabia de uns desvios, conhecia uns caminhos secundários, e num ápice ele estava em casa. Quando a mulher lhe perguntou: 'Então, como te correu este dia tão especial?', ele respondeu: 'Bom, nem imaginas o que me aconteceu hoje: descobri um novo caminho para casa que dá para fugir ao trânsito nas calmas!'
Moral da história: 'Tudo, mas mesmo tudo, na vida é relativo! E as coisas verdadeiramente importantes são aquelas que alteram a rotina do dia-a-dia!'



Música do dia: 
Maria Bethania em 'Negue'

9 comentários:

Ana disse...

Olá!
Muito lindo, para variar ;)
É isso mesmo, e o mais importante descobre-se nas coisas mais pequenas da vida!!
Beijinhos

Sonia Schmorantz disse...

Até nós somos relativos, podemos mudar a qualquer hora, tomara que seja sempre para o melhor!
beijo

Violeta disse...

Olá Alex
Pois é, pois é...
Bjs

Rosa Silvestre disse...

Muito bonito mesmo!
Bjinho, RS.

tulipa disse...

Todos os anos passo por má e insensível quando demonstro os meus ideais nesta época do ano - sou totalmente "contra" a solidariedade apenas nesta época do ano; eu faço solidariedade todo o ano e por isso me irrita esta fase hipócrita de milhares de pessoas, não alinho, mas também não manifesto mais publicamente (no blog) isso.

Há blogues que não morrem nunca...é o caso do meu "KALINKA"
Ainda hoje pessoas se dirigem a mim chamando-me "kalinka", ficou o nome associado a mais de 3 anos de existência do 1º blog que tive.
Nunca eliminaria nem fecharia as portas do kalinka, pois no meu modo de ver, os blogues são como um diário onde eu me confesso e faço confidências do meu estado de alma; muitas vezes me apetece ir lá relembrar coisas passadas.
Que saudades!!!
Há coisas assim, com um carisma tão grande que toda a gente se lembra delas, nem todos gostam mas todos se lembram. E...marcam fases importantes das nossas vidas. Porque me fui lembrar agora do kalinka, que terminou em Março de 2008...?
...
Beijinhos.

Filoxera disse...

Uma forma de ver as coisas...
Beijos.

Maria João disse...

É verdade! E a relatividade de tudo na vida acontece porque essa mesma vida é diferente para quem a vive e quem a sente.
Quanto mais perto de nós as coisas acontecem ou quanto mais elas nos afectam maior a importância que lhes damos. Sem dúvida!
Por isso, se estivermos atentos, encontramos tantos contrastes por esse mundo fora...

Um beijinho

Fernando Vasconcelos disse...

Provirá a relatividade do facto dos caminhos ficarem e os destinos se apagarem ?

Marta disse...

Como a canção do Rui Veloso "Todo o tempo do mundo"...
Perdemos tempo a preocupar-nos com o que na verdade é mais fugaz...
Bom texto...
Beijos e abraços
Marta